O Bloco transformou Centeno no novo Vítor Gaspar

Um dos fenómenos mais bizarros da vida política portuguesa é a existência de duas Catarinas Martins (como se uma não chegasse). A `Catarina Martins I'vota a favor dos orçamentos deste governo. E já votou a favor de três, todos eles da responsabilidade do ministro das Finanças. Mas, depois, a `Catarina Martins II' anda pelas ruas das nossas cidades, com as televisões atrás, a protestar contra o orçamento que a versão número um da senhora aprovou. A nossa Catarina Martins deve achar que os portugueses são estúpidos ou então julga que a política não é mais do que um palco de teatro. Em Portugal, o populismo, a demagogia e o oportunismo juntaram-se no Bloco de Esquerda e são levados ao palco pela Catarina.

Mas, como se aproximam as eleições, o Bloco decidiu aumentar os protestos, começando a atacar Mário Centeno com uma violência verbal nunca vista nos últimos três anos. Aliás, os termos usados fazem-nos recuar a 2012 e a 2013, aos anos de Vítor Gaspar à frente das Finanças. O Bloco tem que se distanciar do governo para conseguir um resultado eleitoral que permita manter a sua influência política. Simultaneamente, fará tudo para impedir a maioria absoluta do PS, o que o condenaria ao regresso a uma oposição sem qualquer poder. A senhora Catarina Martins está farta do papel de `Catarina Martins II', e de andar pelas ruas acompanhada por meia dúzia de gatos pingados, e quer ser a `Catarina Martins I' a tempo inteiro para partilhar os orçamentos socialistas após 2019.

A ida de Centeno para presidente do Eurogrupo agravou o conflito. Na altura, muitos dos nossos `especialistas' em política europeia desvalorizaram o impacto das novas funções de Centeno, com o argumento extraordinário de que a Europa estava fora do acordo da geringonça. No meio de tanta `sabedoria', não entendem o fundamental. A Europa tem um lugar central em tudo o que esteja ligado a recursos financeiros no nosso país.

Ao contrário do que acontece com a líder do Bloco, o ministro das Finanças sabe que não podem existir um `Mário Centeno I' e um `Mário Centeno II'. As suas funções em Bruxelas não permitem que isso aconteça. É simplesmente impensável que o país do líder do Euro grupo possa arriscar um processo por incumprimento das regras do défice. Aliás, o PM também sabe isso, e sabia-o quando tudo fez para que Centeno conseguisse o lugar, por isso apoiará o seu ministro até ao fim da legislatura. As funções europeias de Centeno também revelaram o seu verdadeiro pensamento. Centeno está muito mais próximo de Vítor Gaspar do que da escola de Louçã que prevalece no Bloco. Não há ninguém nas esquerdas que não o saiba.

O conflito com Centeno não significa o fim da geringonça nem sequer que o Bloco não aprove o orçamento para o próximo ano. Mas as relações entre as esquerdas serão mais tumultuosas e a política nacional será mais incerta daqui até ao fim do ano. Veremos muito mais a Catarina Martins das ruas do que a Catarina Martins deputada. Mas, apesar dos protestos, o verdadeiro sonho da líder do Bloco é ser um dia Catarina Martins a ministra da Cultura, para poder beneficiar dos orçamentos aprovados em Lisboa e em Bruxelas.
Notas de rodapé
1. O Bloco e os sectores mais radicais do PS transformaram o Parlamento na sua sala de festas para onde convidam os seus amigos para celebrarem a aprovação de leis patéticas que na prática muito pouco mudarão. São sobretudo uma justificação para folclores parlamentares. Apenas se lamenta que deputados experientes e responsáveis do PS participem nessa farsa. É o preço a pagar pela geringonça. Pelo meio, a qualidade da nossa democracia diminui.

2. Foram necessários bombardeamentos pelos americanos, britânicos e franceses, para o PCP e o Bloco acordarem para a guerra da Síria, apesar desta ter começado há mais de cinco anos. Assad, Putin e Erdogan podem fazer os ataques que quiserem, e as nossas extremas esquerdas nem reparam. Aparecem os americanos e os seus aliados europeus em cena, e os nossos neo-marxistas ficam logo indignados. No fundo, nunca deixaram de ser os idiotas úteis das ditaduras de Moscovo. Mesmo quando a Mãe Rússia está mais próxima do fascismo do que do comunismo. Mas, para as esquerdas radicais, isso não passa de um pormenor. O que interessa é atacar o Ocidente e os seus regimes capitalistas e liberais.

João Marques de Almeida h 11 dias