O problema do excesso de sucesso (na economia)

Tal como no caso das eleições autárquicas, o governo de António Costa arrisca ser aprisionado pela prosperidade conjuntural da economia. A confiança gerada pelo crescimento da economia, do emprego e especialmente pelo discurso e pela política económica seguida criam um sério risco de se gerar um novo "boom" de endividamento e especulação, no nosso caso centrado no imobiliário.

Este era o momento certo para se concretizarem as já cansativas reformas estruturais. É óbvio que as políticas que promovem a eficiência e que em geral têm como consequência a redução do emprego e a moderação do crescimento deviam ser realizadas nos tempos de prosperidade. Infelizmente não existem condições políticas para se concretizarem essas mudanças. Vivemos em permanente campanha eleitoral, com o Governo e os partidos que o suportam no concurso do "quem dá mais", na expectativa de segurarem e aumentarem o seu eleitorado.

Os sinais estão aí embora ninguém os queira ver. Durante esta semana foram divulgados os dados relativos à concessão de novo crédito que mostram como o endividamento das famílias assume um novo dinamismo. No conjunto do crédito bancário, concedido em Agosto, o financiamento às famílias representou 37% do total, o mais elevado desde 2006 como se pode ler aqui. Também em Agosto os depósitos caíram historicamente.

Na ausência de condições políticas, corremos um sério risco de voltar a ter de agravar a crise quando ela chegar, como aconteceu em 2011. Estamos constantemente a aplicar políticas pró-cíclicas, a agravar as recessões por falta de financiamento; a alimentar os "boom" por ausência de condições ou coragem política. Com o resgate de 2011 é a terceira vez que pomos mais recessão em cima de recessão. E as oportunidades de crescimento que tivemos revelaram-se incapazes de melhorar estruturalmente a economia na dimensão que precisávamos.

O sucesso da solução governativa conseguida por António Costa acaba por ser uma séria ameaça ao nosso futuro económico e financeiro. Quanto mais tempo durar esta solução governativa mais riscos corremos, como vemos pelo que se vai conhecendo do Orçamento do Estado para 2018.

O cenário político que melhor garantia um futuro menos arriscado seria aquele que inicialmente se antecipava para este Governo: eleições antecipadas com uma maioria absoluta do PS. Mas mais uma vez excesso de sucesso de António Costa parece inviabilizar essa possibilidade. Os resultados das eleições autárquicas dão aos partidos que apoiam o PS todas as razões para não quererem antecipar eleições.

No seu último relatório sobre a economia mundial o FMI anuncia uma acentuada recuperação da economia, com especial relevo para a Zona Euro, mas alerta igualmente para os riscos associados ao excesso de optimismo num quadro em que mais cedo ou mais tarde as taxas de juro começarão a subir. Era neste futuro, de uma subida das taxas de juro que deveríamos estar a pensar, designadamente pela dimensão da dívida que temos. Mas ao optimismo geral estamos a acrescentar optimismo, tal como no passado somamos pessimismo ao pessimismo.

Helena Garrido h 9 dias