Lopetegui foi goleado, despedido e aplaudido

As contas já não estavam fáceis para Julen Lopetegui, que em nove jogos levava apenas uma vitória (3-2 fora ao Espanyol) entre cinco derrotas, duas mais pesadas com Barcelona (3-0) e Manchester City (4-0) até à derrota caseira no passado fim de semana com o Atl. Madrid (2-0). Aliás, o despedimento parecia ser uma questão de tempo. Ainda assim, e como no futebol tudo pode mudar num instante, a receção ao B. Dortmund onde a equipa do Sevilha tinha de ganhar surgia como uma última tábua de salvação. Para a equipa, para o técnico. No final, mais não foi do que a derradeira capitulação de todo um projeto.

Apesar da importância do encontro, os germânicos já venciam ao intervalo por 3-0 com golos de Raphael Guerreiro, Bellingham e Adeyemi, terminando a partida com uma goleada por 4-1 fechada por Brandt. Ato contínuo, e num gesto que mais não fez do que confirmar o que todos sabiam, Lopetegui saiu da sua zona técnica após a partida para fazer uma despedida aos adeptos, tendo mesmo ouvido alguns aplausos perante um gesto onde assumiu a impotência de dar a volta à crise. O despedimento foi confirmado depois, sendo que a imprensa espanhola revela agora que iria sempre acontecer qualquer que fosse o desfecho.

"O Sevilha decidiu destituir Julen Lopetegui como treinador da equipa principal depois do jogo com o B. Dortmund. Lopetegui termina uma etapa de êxito com três magníficas campanhas em que conseguiu os objetivos e uma quarta época onde os resultados não acompanharam esse trajeto, com apenas cinco pontos em 21 possíveis na Liga. Dirigiu o Sevilha em 170 jogos, tornou-se o quinto treinador com mais jogos oficiais da história do Sevilha apenas atrás de Joaquín Caparrós, Unai Emery, Manolo Cardo e Ramón Encinas. O balanço é de 89 vitórias, 45 empates e 36 derrotas, o que fazem com que ocupe o terceiro posto a nível de vitórias oficiais, apenas atrás de Caparrós e Emery", destacou o comunicado.

"Lopetegui vai ficar sempre na história do Sevilha pela brilhante conquista da sexta Liga Europa em 2019/20, que lhe deu entrada no lote de sete treinadores que conseguiram títulos nacionais ou europeus pelo clube. Ao mesmo tempo, conseguiu o feito histórico de atingir três qualificações consecutivas para a Liga dos Campeões via Liga, com 222 pontos em 121 jornadas. Além disso, o Sevilha conseguiu o recorde de pontuação na Primeira Divisão em 2020/21 com 77 pontos", acrescentou, agradecendo ao técnico todo o trabalho e desejando a maior sorte a Lopetegui nos seus novos projetos profissionais.

Também o treinador explicou no final da partida o porquê da saída. "O primeiro sentimento que me passa é o de agradecimento ao meu clube, aos adeptos, à cidade, ao Monchi [diretor desportivo], à administração, a todos. Vivemos coisas muito bonitas e tenho pena de sair. A forma como os adeptos se despediram de mim foi algo que me deixou feliz entre a tristeza. Todos demos o melhor. A decisão já estava tomada. A derrota? Foi um noite complexa, também temos família e sofremos com tudo. Foram momentos muito complicados mas temos de assumir tudo de frente", referiu no final Julen Lopetegui.

De recordar que, depois de ter sido campeão europeu de Sub-19 e de Sub-21 por Espanha, o técnico passou pelo FC Porto (2014-2016), pela seleção A de Espanha (2016-2018) e pelo Real Madrid (2018) sem ganhar um único título, algo que conseguiu agora inverter em Sevilha, a partir de 2019, com a conquista da Liga Europa pelo clube da Andaluzia, que passou também a andar em lugares de Champions.

Bruno Roseiro h 1 mês