Ivo Rosa manda entregar 83 milhões à Sonangol

O juiz Ivo Rosa mandou levantar o arresto feito num dos processos de investigação a Isabel dos Santos e entregar os 83 milhões em causa à Sonangol. Segundo a notícia avançada pela SIC, o magistrado considerou que o dinheiro em causa é lícito e que não existe uma relação com a empresária angolana.

Os arrestos tinham sido feitos à sociedade Esperaza Holding e a decisão do juiz Ivo Rosa surge depois de o Tribunal Arbitral dos Países Baixos ter decidido que "a Sonalgol foi, desde sempre, a legítima dona de 100% das ações da Esperaza".

https://observador.pt/2021/07/26/tribunal-holandes-reconhece-sonangol-como-unica-proprietaria-do-investimento-na-galp/

Após essa decisão, a Sonalgol correu para a justiça portuguesa a reclamar o que tinha sido arrestado e o magistrado deu razão à empresa. Segundo o despacho citado pela SIC, Ivo Rosa considera que "os valores creditados na conta daquela sociedade correspondem à distribuição de dividendos e não, como inicialmente indiciado, um ato de apropriação de dinheiros públicos angolanos ou a uma manobra de branqueamento".

https://observador.pt/especiais/apreendidas-participacoes-de-isabel-dos-santos-na-nos-eurobic-e-efacec-e-na-galp/

Tal como o Observador noticiou, a forma como o marido de Isabel dos Santos adquiriu em 2006 uma posição de 40% na Esperaza à Sonangol sempre foi polémica, por carecer de um racional económico ou de know-how. Primeiro, porque foi uma participação adquirida com um empréstimo de 68,7 milhões da própria petrolífera estatal angolana (que fundou a sociedade e detinha 100% do capital social). E em segundo lugar porque foi um empréstimo concedido em condições muito favoráveis: sem spread e diretamente ligado ao pagamento de dividendos da Galp.

Mais tarde, em 2017, a Sonangol liderada por Isabel dos Santos aceitou que Dokolo recebesse uma benesse de cerca de 12 milhões de euros quando pagou o empréstimo de 2006 à petrolífera angolana.

Inês André Figueiredo h 1 mês